quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Minhas sinestesias




Cheiro colorido, vejo em seu sabor...Sinto o perfume das manhãs, parece que sinto um novo amor...?


Longas estradas marcadas com curvas turvas ao entardecer, passáros procurando seus ninhos, vento retirando o momento do calor e a lua lá no céu já brotando, esperando o sol se esconder para sua luz aparecer. Ouço músicas, não sei qual é a banda ou qual é o compositor, mas eu a sinto. Recebo o oxigênio a adentrar pelas minhas narinas e atingir meus pulmões como ondas na ressaca do mar, abro os meus olhos vagarosamente, sentindo agora não mais os raios do sol a tocar as minhas pupilas, agora sinto o cheiro da noite a me acariciar. Que faço eu? O que devo eu fazer? Perguntava uma interrogação da minha mente naquele momento único que vivia meus sentidos. Feche os olhos. Consiga sentir comigo o que estou eu a sentir, eu te peço. Chão frio onde meu corpo repousa, enquanto os meus pensamentos vagueam em busca do amor. Imagino eu, imagino você, imagino a primeira pessoa do plural envolta a essa realidade. Abro olhos vejo a lua, e um mar escuro infinito de pingos brilhantes que parecem piscar para mim. Ouço o som dos passos, mas não é ninguém. Meus olhos fecham, para ver um outro mar escuro, em que as ações acontecem com o meu veredito, e nele sempre vejo o seu cheiro, sinto o seu olhar e escuto o seu sorriso. Quem serás tu que acordastes em meus pensamentos e nunca mais dele saistes? Como chegastes aqui? Queria ter a oportunidade de perguntar. Nosso diálogo é sem palavras, pois nunca sentir o sabor da sua voz. Movo-me em mais uma dessas curvas, onde enxergo um telhado a me proteger e não mais o céu, e com essa proteção material você some sem me dizer adeus, parece que só pode está presente em meus pensamentos quando o brilho das estrelas guiadas pela luz da lua podem me tocar. Parece que amanhã não terá lua, não poderei te ver, mas continuarei aqui a espera de sentir seus passos, cheirar o seu olhar e ouvir o seu sorriso.
Cheiro de amor no ar...Sinistesias minhas a cantar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário